in Podcast

PodEspecular PodFiction #06 – “Eu Sou Foda, Cara!”, de Tibor Moricz


A leitura de hoje é do conto inédito “EU SOU FODA, CARA!”.

DURAÇÃO:  ~18 minutos.

** AVISO! A áudio-leitura de hoje contém palavras de baixo calão e munição de alto impacto. **


* Vitrine baseada no logotipo criado por Carlos Relva

* Apresentação e Leitura: Paulo Elache


Sobre o autor:

  • Escritor e publicitário, Tibor Moricz publicou seu primeiro livro Síndrome de Cérbero (Editora JR) em 2007.
  • Em 2009 publicou a coletânea de contos fix-up Fome (Editora Tarja). Foi um dos organizadores dos dois primeiros volumes da coleção Imaginários e também da coletânea Brinquedos Mortais (a ser publicada pela Editora Draco).
  • Publicará ainda em 2010 o romance O Peregrino (Editora Draco). Tem contos publicados tanto em papel quanto virtualmente, foi premiado em dois concursos de contos, num deles em primeiro lugar.
  • É capitão do É só outro blogue onde fala de literatura de gênero, mais especificamente de ficção científica e do blog From Bar to Bar, onde realiza entrevistas com autores estrangeiros consagrados.


P.S.: Você gostou da áudio-leitura de hoje? Você gosta de escrever ficção especulativa (Ficção Científica, Fantasia e Horror)? Se você respondeu “sim” nos dois casos e quiser que seus escritos sejam lidos no PodEspecular PodFiction, é só enviar uma mensagem para o endereço de email abaixo.

Para críticas, dúvidas e palpites, mande e-mail para: podespecular@gmail.com

E para apontar nossos deslizes… No mesmo e-mail (fazer o quê?).


Reproduzir

11 Comments

  1. Olha, ficou muito divertido, gostoso de ouvir mesmo.

    Parabéns ao Tibor, o conto é “foda” mesmo! Divertidíssimo!

    Parabéns ao Paulo e à equipe toda da gravação! Os efeitos sonoros, as sacadas da leitura… cara, ficou show!

    E que venham os próximos…!

  2. Obrigado pelo trabalho que você teve, Paulo. O cuidado com os detalhes foi determinante na qualidade final da locução. Maravilhoso, adorei!

  3. A narração tá meio automática. Faltou atuação, ênfase em algumas cenas.

    E qualquer coisa hoje em dia se mede em quantidades de campos de futebol!

    Mas não deixa de ser interessante.

  4. Grato pelos comentários, “anonimo1”.

    Assim como você, várias pessoas me disseram que preciso melhorar o tom de minhas narrações. Valeu pela dica 🙂
    Dúvidas:
    1) Faltou atuação/ênfase em quais cenas?
    2) Suponho que você está afirmando que o trecho “… qualquer coisa hoje em dia se mede em quantidades de campos de futebol!” é um cliché. Apesar de apenas narrar, sem qualquer alteração, os contos autorizados pelos autores, gostaria de saber se você encontrou mais algum exemplo semelhante no conto narrado? Qual sua sugestão de substituição para esse “lugar comum” apontado no conto?
    3) O quê “não deixa de ser interessante”? O conto? A narração? Ou ambos?

    Abraço,
    Paulo Elache
    http://www.podespecular.com.br
    &
    http://www.dimensaonerd.com/category/podcast/podespecular/

  5. Faz tempo que não comento, mas parabens pelo programa, adorei a leitura, os efeitos estão perfeitos, e o conto é foda pra caralho.

    Parabens ao autor, que realmente escreveu uma obra excelente e a você que leu com toda a emoção.

  6. Parabéns por mais uma narração de conto.
    Agora ao básico, o pulp, a ficção científica dos anos 30. Excelente narração.

    Aguardando uma nova edição do podspecular.

  7. Olá Paulo. Receio ter sido um pouco impreciso nas minhas afirmações. Respondendo a suas perguntas:

    1) O tom das narrações só peca quando sua voz treme um pouco. E em algumas cenas de pancadaria, a narração permanece no mesmo teor de uma cena comum. Basta melhorar a ênfase em alguns pontos.

    2) Sim, clichê. E outro ponto que incomoda um pouco, no texto, é que o personagem despeja palavrões a contento, mas quando descreve uma superfície sintética, diz que ela é “lisa como BUMBUM de nenem”… Não entendi porque a economia de linguajar, Mas isso é com o autor!

    3) A narração não deixa de ser interessante, visto suas aplicabilidades em diversos meios. Como forma de acessibilidade, por exemplo. E também porque remete às novelas de rádio. Devo reconhecer que a forma como usa os efeitos sonoros é coerente com a sequência e bem sincronizada.

    Em geral, é um bom trabalho sim. Eu sequer tenho a competência (vocal ou técnica) para criar um conto lido. Apenas deixei aqui registrado minhas impressões. Parabéns e grande abraço.

  8. Estava devendo muitos podcasts desde julho, e já estou com quase todos em dia. Só falta agora o PodEspecular… o último que ouvi foi lá em junho, o PodFiction #1, com aquele conto do Lee Falk (aliás, que conto espetacular, heim?). Mas logo logo alcanço esse aqui 😀

Comments are closed.